TDC 2013

Nos dias 24, 25 e 26 de Maio estará acontecendo em Florianópolis o TDC 2013 – The Developers Conference. São 7 trilhas por dia, 3 dias, repletos de palestras de alto nível para os profissionais de TI. Estarei palestrando no … Continuar lendo

SQL Server, não se capacita quem não quer!!!


Sei que já tem um tempo que não posto nada técnico, mas o trabalho, estudo e família tem tomado praticamente 100% do meu tempo, mas em breve estarei postando mais artigos técnicos.

Hoje vou falar um pouco sobre capacitação em SQL Server. Há N maneirar de se encontrar material para
estudos nesta plataforma de dados, e como diz o titulo do post, só não aprende quem não quer!

Como opções de estudos, inicialmente podemos acessar o Microsoft Virtual Academy, que além de SQL Server, possui materiais para diversas ferramentas Microsoft, onde é disponibilizado videos, artigos e um teste dividido em varias etapas e segmentos.

Para quem já trabalha com Oracle, neste mesmo canal existe um treinamento especifico focado em mostrar como trabalhar com o SQL Server, focando no profissional multiplataforma, o que é muito útil, uma vez que as empresas hoje não possuem somente um player de banco de dados, e a consolidação de diversas fontes é um dos desafios na hora de gerar indicadores e relatórios.

Pede-se também utilizar maquinas virtuais disponibilizadas no Azure pelo Virtual Labs, são treinamentos focados no aprendizado das novas funcionalidades do SQL Server 2012, onde o usuário pode botar a mão na massa e implementar recursos desde testar o Visual Studio para trabalhar com o SQL Server, implementar serviços de alta disponibilidade com o Always On Availability Group a criar relatórios com o PoweView, nova ferramenta de relatórios em browser desenvolvida pela equipe de Reporting Services tanto para o profissional de TI quanto para o usuário final.

Uma coisa que não posso deixar de comentar aqui, é que o SQL Server possui um material de ajuda chamado Books On-line, muito útil nos momentos de dificuldades.

Hoje falamos muito de serviços na nuvem, e a MS disponibiliza por 90 dias uma conta trial para ser utilizado com diversos serviços, como o SQL Database, levantar VMs com diversos sistemas operacionais, criação de sites entre outros. Para utilizar a conta, é necessário utilizar um cartão de crédito, e no fim dos 90 dias, a Microsoft avisa que a conta está expirando e dá a opção de ativar a conta e cobrar no cartão. Só tem que tomar cuidado com uma coisa, existe algumas limitações de utilização, tudo explicado no site, e dependendo do uso, sua utilização pode ser paralisado por 30 dias, e é perguntado se quer ativar a conta para continuar a utilizar os recursos. Cuidado aqui para não sofrer cobranças indesejadas.

Além de todas essas facilidades, ainda podemos contar com todos os tipos de materiais disponíveis na rede, seja artigos, videos no youtube, webcasts on-line. Por exemplo, a pouco aconteceu um evento chamado MVP Virtual Conference, onde profissionais de várias tecnologias Microsoft palestram sobre as ultimas tendencias e novidades.
Sobre SQL Server, você pode conferir as palestras no Channel 9.

Também já temos agendado um evento no Rio de Janeiro em agosto de 2013, chamado de SQL Saturday, está é a 4º edição (Edição 245) a ser realizado no Brasil, totalmente grátis, e já está com as inscrições abertas. Confira a oportunidade de ver palestras ao vivo com o melhores profissionais de SQL Server do Brasil. Para ter uma ideia, na ultima edição (147) do Brasil que foi realizada em Recife em 2012, tivemos a presença do MVP e MCM Dennis Cherry,  falando sobre alta disponibilidade e criptografia no SQL Server.

Além de muitas outras opções de estudos, depois é possível realizar as certificações, que em breve terá seu próprio post. Até a próxima!!!

ARQUITETURA SQL Server Parte 3: O SQLOS Scheduler


Quando o SQL Server inicia o seu serviço, um scheduler é reservado para cada processador lógico visível para a instância do SQL Server.

Um scheduler controla a execução das requisições dos usuários (SPIDs ou session IDs). O scheduler não substitui o scheduler do Windows, mas gerencia a execução das requisições sem retornar o controle para ele, e isto diminui significativamente as trocas de contexto. O scheduler opera de modo não preemptivo, ou seja, são as requisições que têm a obrigação de devolver o controle para o scheduler quando seu tempo de CPU expirou ou são suspensas.

O scheduler provê mecanismos para a execução de I/Os assíncronos. Quem inicia a operação de I/O é o scheduler, mas cabe a qualquer thread que está deixando o processador (yielding) verificar se algum I/O já foi completado (I/O completion routine). Isto significa que nem sempre a thread que iniciou o I/O é que vai completar esta operação, e é isto que evita a troca de contexto.

Mais informações relacionadas ao SQL Server e IO no link abaixo:




O scheduler ajuda de forma que uma tarefa precisa aguardar por um recurso, a thread em execução é removida do scheduler e colocada em uma lista de espera até o recurso esteja disponível novamente. Isso garante que outras tarefas terminem seu trabalho ao invés de serem bloqueadas atrás de outra aguardando por um recurso, como um “lock” ou IO de disco para completar.

Uma tarefa no SQLOS é uma unidade de execução que é associada a uma thread ou fibra. É a thread que é associada a CPU para executar. A fibra é mais leve em sua execução o que ajuda a reduzir o custo das trocas de contexto.

No SQL Server 2005, houve uma mudança drástica quanto ao agendamento das tarefas. No SQL Server 2000, o número máximo de threads que podia ser criada para atender requisições de usuários, como definido no parâmetro “max worker threads”, era de 255 (em casos muito raros este valor poderia ser aumentado, como em instâncias rodando sob o IA-64).A partir do SQL Server 2005, este número passou a ser calculado automaticamente (o valor de “max worker threads” fica definido como 0) quando a instância é iniciada, com base na arquitetura e no número de processadores lógicos que estão visíveis.

Para sistemas x86 com 4 ou menos processadores, o SQL Server inicia com 256 threads associadas através dos schedulers, para cada CPU adicional sobre 4 o SQL adiciona 8 threads extras. A fórmula para calcular o valor do parâmetro é:


Maximum worker threads = (256+ (<processors> -4) * 8)


Para sistemas x64 com 4 ou menos processadores, o SQL Server inicia com 512 threads, para cada CPU adicional sobre 4 o SQL adiciona 16 thread extras. A fórmula para calcular o valor do parâmetro é:


Maximum worker threads = (512+ (<processors> -4) * 16)



O link abaixo tem o resultado destes cálculos:




Outra melhoria que o SQLOS trouxe com o SQL Server 2005 foi a afinidade das CPU’s. A mesma é dinâmica e você pode configura-la a qualquer momento, sem precisar reiniciar os serviços do SQL Server para que a alteração seja de fato efetivada. O parâmetro para configurar a afinidade das CPU’s se chama “affinity mask”, veja informações sobre ele no link abaixo:




A partir do SQL SERVER 2008 R2 e acima, podemos utilizar o ALTER SERVER CONFIGURATION para realizar certas alterações na instancia, como por exemplo a que acabamos de citar, de afinidade das CPU’s, mais informações no link abaixo:




O SQLOS balanceia a carga de trabalho entre os schedulers baseado no número de tarefas ativas associadas a cada um deles. Isso evita o problema que o SQL Server 2000 enfrentava de sobrecarga em alguns schedulers, enquanto outros estavam ociosos, era um balanceamento chamado de “round-robin”.


Espero que tenham gostado do post e até a próxima!
http://www.virtualpass.com.br/

Microsoft SQL Server Data Tools for Visual Studio 2012



Bom dia pessoal, para quem não sabe, a partir da versão 2012 do SQL Server, a ferramenta de desenvolvimento de BI não está mais pressa a versão do SQL Server.
Para quem já utilizava essas ferramentas nas versões anteriores, sabe que no SQL Server 2005, o BIDS (Business Intelligence Development Studio) funcionava em cima do Visual Studio 2005 e o 2008 em cima do Visual Studio 2008. Para ter acesso a ferramenta, você precisava utilizar o instalador do SQL Server em questão.


Com o lançamento do SQL Server 2012, tivemos o Data Tools (antigo BIDS) baseado no Visual Studio 2010. O Visual Studio 2012 já estava no mercado para avaliação, mas como ainda não estava finalizado, o time de SQL Server resolveu não arriscar usar a nova versão do Visual Studio.

Com o "desapego" da ferramenta a versão do SQL Server, agora é possível que as mesmas sejam atualizadas e disponibilizadas sem o lançamento de uma nova versão do SQL Server.

Para quem se interessar e utilizar a versão do Data Tools para Visual Studio 2012, que está disponível para downloads desde março de 2013, pode baixa-la neste link.

Até a próxima!

Para onde vai? De onde vem? Conheça o Replication Scope Script

Meu povo, Para onde vai? De onde vem? Quem nunca já se perguntou isso quando trabalhamos com replicação? Sempre que começamos a trabalhar com um banco de dados novo e não temos ainda o total conhecimento de sua estrutura, ficamos em dúvidas quem é o Publisher ou quem são os Subscribers. Assim, foi criado pelo […]

Backup: Recovery model e especificações

Todos sabemos que definir uma boa estratégia de backup pode salvar muitas ‘vidas’ e para isso é necessário que conheçamos os diferentes tipos que o SQL Server nos oferece e quais requisitos são precisos para que tudo ocorra como o … Continuar a ler

Top 10 da Semana passada!!!

Ola galera! Como de costume… segue os 10 POSTS mais acessados da semana anterior: Exportando dados do SQL Server 2008 para Excel (.XLSX) Replicação de Dados (Passo a Passo utilizando o SQL Server 2008) Arredondamento de valores no SQL Server Simulados para a prova 70-432 / 70-433 Extraindo informações de arquivo XML para o SQL Server Importando uma planilha Excel […]

Microsoft SQL Server 2012 With Power View For Multidimensional Models CTP

Muito tempo sem passar por aqui para postar, o trabalho, treinamentos e certificações tem tomado muito do meu tempo, mas isso é bom, porque em breve terei bastante material para postar aqui!

Hoje estou passando rapidamente só para compartilhar que em um treinamento que estou participando essa semana de SQL Server, fiquei sabendo que já existe uma versão CTP para utilizar DAX no Analysis Services Multidimensional, que permite utilizar o PowerView para consumo dos cubos multidimensionais diretamente.



Este CTP foi disponibilizado em 27/11/2012, mas só agora fiquei sabendo de sua existência. Pelo que vi no treinamento, onde participaram diversos profissionais da área técnica de BI, pelo que pude perceber, ninguém sabia de sua existência também.

Se quiser começar os testes, é só baixar o instalador neste link.

Lembrem-se, ainda é uma versão para testes, então, cuidado na sua utilização para ambientes de produção!!!

Até Breve.

Create Index não é Tuning II

Esse post é dedicado a um grande amigo que me ensinou muito sobre Tuning e Performance um dos melhores DBAs que conheci, Sergio Bonsague. Esse artigo é continuação do último post lançado aqui no blog. A coisa mais divertida no SQL Server é saber, porque ele fez isso ou aquilo? Por que “tal” decisão foi […]

SQLSaturday 245 – Rio de Janeiro – 31 de Agosto

  Informações das Palestras
Go to Top